Posts Tagged 'namoro'

como essa cachorrada virou namoro?

foi a pergunta que fiz a D., meu melhor amigo, segunda a noite sobre hoje sua ex-namorada. essa pergunta tornou-se um divisor de águas em sua relação já conturbada a alguns meses.

o cenário foi o vegas na rua augusta a pouco mais de um ano, conhecemos a tal e sua amiga lá pelas tantas e a conversa logo virou uma brincadeira a quatro nas semanas seguintes.

após retornar de mais uma mochilada, vi que D. encontrava-se regularmente com a tal. como a vida segue, semanas tornaram-se meses e finalmente meses em um ano.

com a relação já desgastada, surgiram os questionamentos, passamos a semana discutindo se existe uma formula ou um parâmetro determinante para o início de uma relação e se existe futuro numa monogamia que começou com uma cachorrada.

afinal, existe ou não existe?

o reencontro, a meretriz e o mimo

casa de meretrizes

casa de meretrizes

sexta passada reencontrei um amigo que não via há um ano. somos amigos a mais de dez anos e após uma briga feia por motivos hoje considerados fúteis rompemos nossa amizade. confesso que senti uma baita falta da amizade de D. e sempre o considerei meu melhor amigo. sou um cara muito orgulhoso e não dei o braço a torcer assim como ele. acredito que a amizade funciona mais ou menos como um namoro. excesso de convivência desgasta e cria pequenos conflitos ao longo do tempo e uma hora, a bolha explodi.

fomos a um bar que conhecemos de longa data, o freqüentamos desde a época em que começamos a sair juntos quando tínhamos nossos dezesseis anos. cheguei meia hora atrasado e ele já estava numa mesa bebendo. demos um abraço tímido, pedi um drink e começamos a conversar. cinco minutos depois nem parecia que havíamos brigado, estávamos rindo muito e colocando toda a conversa em dia.

como estávamos afiados decidimos fazer o que sempre fizemos de melhor juntos, paquerar as mulheres ao nosso redor. temos um pequeno ritual, tiramos no palito para ver quem vai à outra mesa se apresentar e abrir terreno para o parceiro. o sorteado por sua vez, pode escolher a mesa e a garota que bem entender. nessa noite o sorteado foi o D., ele escolheu uma mesa com uma loira e uma ruiva e me avisou que a loira era dele. três tragadas de cigarro, ele me chama com um aceno, pego meu copo, pertences e me junto à festa.

a ruiva era meio cavalona, mas bonita enquanto a loira era baixinha, porém bem gostosa. elas não faziam muito meu tipo, mas como o direito de escolha era de D., não tinha muito o que argumentar. livre de qualquer vontade resolvi apenas tirar um barato. pedimos uma pizza e mandamos ver nas bebidas. as horas voaram e nem me dei conta, uma coisa não posso negar, as duas eram extremamente simpáticas. D. perguntou as duas se elas não queriam ir ao apartamento dele para fazermos uma pequena festinha (confesso que foi um convite nada sutil, mas como não queria nada demais com nenhuma delas, fiz coro). as duas entreolharam-se e meio sem graça recusaram. com nada mais para render, pedimos a conta e fomos embora.

como ainda era cedo e era uma noite para se comemorar, discutíamos para qual bar iríamos até que D. me propôs uma visita a uma “casa de damas” perto dali. lancei-lhe um olhar meio irônico e disse que iria só se ele pagasse minha conta porque não seria muito difícil me arranjar nessa noite. ele rindo de deboche de mim disse que não duvidava, mas que mesmo assim a noite merecia um final para ser lembrado.

chegando lá, vimos que era um lugar simples por dentro. tinha um pequeno sofá meio velho, a tradicional luz vermelha, algumas mesas, uma pequena pista com um som velho e um bar repleto de bebidas vagabundas. o local não estava muito cheio, ao todo deveria ter meia dúzia de gatos pingados. sentamos numa mesa de canto e começamos a trocar olhares com algumas meninas. duas delas levantaram-se e sentaram ao nosso lado. D. logo afoito pegou uma delas e a levou ao quarto, eu como não me faço de rogado, comecei a instigar a menina até que ela suplica-se por meu pau dentro dela. ela estava puro fogo e eu me divertia com sua insistência.

finalmente a levei a um quarto, era pequeno e abafado. tinha apenas uma cômoda, uma cama (que rangia sem parar) e um pequeno armário para pendurar as roupas. confesso que não sou muito fã de putas, essa foi apenas a terceira vez que estive com uma. adoro intimidade durante o sexo e isso não é uma coisa que se possa encontrar nesses lugares. gosto de beijar na boca, arranhar, lamber, apertar. falando de uma maneira chula, só meter cansa e depois de algum tempo fica bem chato. 60% (no mínimo) do sexo pra mim não envolve diretamente a penetração.

resultado? minha putinha gozou três vezes e eu nem vontade senti. ela já sem fôlego pediu um tempo e me disse que queria que o namorado dela fosse como eu na cama, que demorasse a gozar e não se cansasse fácil. sarcasticamente respondi que com uma mulher como ela na cama, eu agüentaria a noite inteira fácil fácil. acho que ela não entendeu minha tirada, pois me pediu para esperar um minuto e foi até suas roupas. pegou sua pulseira (feia que dói), me deu de presente e disse que era um mimo para eu sempre me lembrar dela quando a usasse. me abraçou e disse que eu não precisava pagar a conta, cortesia dela. agradeci e me troquei (não queria mais uma sessão sem sal, nem de graça). bati na porta de D. e o chamei para ir embora. ele vestiu-se a contragosto e saímos.

paramos no Fran’s Café que ficava a três esquinas dali e fechamos a noite com chave de ouro enquanto ele não parava de rir pelo fato de eu não ter gozado e receber como prêmio de consolação uma bijouteria horrorosa da uma meretriz.

com certeza será um reencontro que renderá risadas por muitos e muitos anos. nossa parceria está refeita e muitas histórias e mulheres estão por vir.

sexo. e o gozo?

sou um cara sem amarras, sempre me senti assim. nunca fui com os padrões da sociedade de conhecer uma garota, namorá-la, pedi-lá em casamento e (rs) separar-se. o pior é que já perdi metade dos meus amigos de bar para as “damas de branco”.

namorei sério apenas uma vez na vida e por ironia do destino gostei da experiência, recomendo (ao menos uma vez na vida) e não me arrependo. durou um pouco mais de um ano e nunca conheci tão bem a alma de uma mulher tão a fundo e a finco. foi a única época da minha vida que fiz valer meu lado monogâmico (já escrevi aqui em algum lugar que faço até o que Deus duvida mas ser cafajeste não faz o meu tipo).

o que mais curti nesse relacionamento foi a intimidade que rolava, nos sentíamos a vontade para conversar sobre tudo, inclusive sobre nossas experiências passadas. matei a maioria das minhas dúvidas sobre o sexo feminino ai. numa noite qualquer pós sexo ela me disse, “você foi o primeiro cara com quem consegui gozar sendo penetrada, e foi logo de cara, na nossa primeira noite juntos”. rebati na lata, “seria mais fácil de eu acreditar numa história sua se você me dissesse que trepou com meu melhor amigo antes de eu chegar no seu apartamento”. ela riu e disse séria, “é verdade, sempre gozei me masturbando, imaginando, com outras mulheres, mas assim nunca. cheguei a pensar que era lésbica”, e continuou dizendo, ” a maioria das minhas amigas nunca gozaram transando com alguém também”. eu respondi, “hmm… lésbica? pega meu celular ai do seu lado, liga pra uma amiga vai? rs”.

nosso começo de relação foi atípico, terminamos na cama somente depois de mais um mês de pegação. tudo conspirava contra e nada do que planejávamos dava certo. na primeira vez que fiz sexo oral nela, ela gozou duas vezes, ficou molinha molinha… (hmm… adoro aquele gosto e cheiro de buceta molhada).

mas desta vez minha nota não é para falar de minhas proezas sexuais e sim para fazer uma pergunta que me assola desde que ouvi sua revelação alarmante, por que é tão difícil assim para as mulheres gozarem? o que lhes faltam? o que vocês querem? quais tabus devem ser quebrados? porque na masturbação o gozo rola tão fácil e no sexo com o parceiro não? tenho cerca de quinhentas perguntas para um tema só, me contem quais são são suas experiências e opiniões sobre essa quase lenda urbana (a mulher que nunca gozou).


autor

R. é audacioso, provocativo e comunicativo. ávido leitor, ele é freqüentador assíduo de livrarias e também um apaixonado pelo cenário underground e cultural de São Paulo. sua paixão por livros rivaliza-se apenas a sua pelas mulheres. leia mais sobre mim.

leitura atual

Discursos impios, de Marquês de Sade

Discursos ímpios, de Marquês de Sade

veja o que já li

histórico

extras


adicione rss - feed

selos


prêmio dardos