Archive Page 2

tem certeza de que você não é gay mesmo?

tem certeza de que você não é gay mesmo?

tem certeza de que você não é gay mesmo?

são duas da manhã, duas pessoas se encontram conversando em um canto no jardim de inverno de uma bela e bem planejada casa em um dos bairros mais nobres da cidade.

– como se chama?
– me chamo R. e você?
– Ulisses, muito prazer.
– igualmente.

na sala de estar, improvisada como pista de dança, Duffy esbanja sua melancolia a uma platéia de intelectuais, alternativos, gays e drogados.

– o que você faz?
– sou designer e você?
– sou ator de teatro.
– legal, está com alguma peça em cartaz?
– não, mas recebi um texto para montar uma peça em novembro…

um novato e um completo desconhecido recebem o bilhete dourado para embarcar neste bizarro e louco mundo a apenas duas horas e meia.

– você é muito lindo sabia?
– obrigado.
– adoro seus olhos azuis, eles brilham na noite…
– obrigado.
– estou morrendo de vontade de te beijar…

(ele avança, viro o rosto e ele beija minha maça esquerda)

a noite é fria, mas não faltam bebidas de todos os tipos e gostos para aquecer e enlouquecer a multidão polvorosa. a dupla, como de costume, ataca apenas os whiskys de boa qualidade.

– me desculpe, mas eu gosto apenas de mulheres.
– é uma pena, na verdade, um desperdício.

(esboço um sorriso compreensivo)

– você me deixa maluco, tem certeza de que você não é gay mesmo?

(ele avança novamente, viro o rosto e recebo um beijo na outra maça)

– sim, tenho certeza.

(olho para meu amigo, ele compreende o sinal e interrompe nossa conversa)

– foi um prazer te conhecer.
– você pode me dar seu telefone?
– fique com meu cartão.

em quase todas os lugares em que vou alguém me pergunta se sou gay. acredito que seja uma pergunta comum, mas a partir do momento em que alguém te pergunta se você tem certeza de que não é gay mesmo, muda o cenário. é o tipo de pergunta, vou além, provocação que não tem volta. é sua confirmação, seu sim ou seu não definitivo.

sempre soube o que era, agora não restam dúvidas. sou hetero, sempre fui e sempre serei.

Mercy – Duffy

(continua…)

todo carnaval tem seu fim

pois é, e comigo não é diferente. terminaram as férias das minhas notas, do meu verdadeiro eu.

sei que não respondi meus e-mails como deveria, muito menos dei as caras no MSN, mas por favor relevem, este homem aqui passou por algumas turbulência das grandes, com direito a diversão no mictório a bordo.

acreditava piamente que o ano de 2007 havia sido meu ano de maior aprendizado e crescimento, e eu estava absolutamente certo! 2008 por sua vez, está marcado como o ano da desconstrução, do desaprendizado, da provação e provocações.

aprender é muito bom, mas desaprender é melhor ainda. tenho histórias muito boas para contar, não percam!

descobri que para cada ato nosso, existirá uma resposta ou cobrança no futuro.
descobri o significado desta música pra mim.

Bizarre Love Triangle – New Order

fechado para balanço

meus amigos, por motivos de força maior, o blog ficará sem atualização por tempo indeterminado. enquanto isto, vocês podem me escrever via e-mail abaixo, que continuarei respondendo (às vezes) sempre:

thernotes@yahoo.co.uk

prêmio dardos

 

prêmio dardos

prêmio dardos

recebi da querida Renata o prêmio dardos, meu primeiro selo. ele significa:

reconhecer os valores que cada blogueiro mostra a cada dia, seu empenho por transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc. em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras…

como condição, tenho que linkar o blog do qual recebi o prêmio e escolher quinze blogs para entregar o prêmio. obrigado Renata, realmente apreciei muito o presente.

vamos a lista:

a vida secreta
casinha do bob
conexão paris
contos e encantos
eroti-cidades
é tudo uma questão de estilo
homens modernos
incompletudes
manual do cafajeste
mundo dos cabelos
pimenteiro
ponto pê
senhorita rosa
sentimento em letras
sexpedia

por sorte, tenho exatamente dezesseis blogs linkados no meu próprio, tirando a Renata, fechamos na conta exata.

influências

Henry David Thoreau uma vez escreveu:

viva cada estação enquanto elas duram. respire o ar, beba a bebida, saboreie a fruta, e deixe-se levar pelas influências de cada uma. 

recentemente escrevi minha lista para o dia D, o D do dia significa design, tive uma prova para entrar numa das melhores escolas de design do país, o Instituto Europeo di Design – IED.

não fiz a prova, tive um problema e a perdi. mas a farei novamente dia vinte e passando ou não, não entrarei lá este ano. faço apenas pelo aprendizado, minha meta é passar em janeiro do próximo ano.

trabalho com design desde que me entendo por gente, mas ser designer nunca foi meu sonho de infância, chamo isto mais de prazer adquirido. quando criança sonhava ser jornalista, escritor ou piloto de avião.

escritor sou nas horas vagas, piloto de avião nem pensar, amo voar, mas como passageiro. sobrou jornalista, pensei muito em ser jornalista, realmente é um trabalho que eu poderia realizar relativamente bem, mas mudei de idéia, ser jornalista não era o que eu imaginava, a figura do jornalista não coincide com o que eu vi na realidade.

sem meus três sonhos em vista, decidi viver a vida segundo a idéia de Thoreau e, no meio de tantas influências realmente sentidas até seus limites, re-descobri o que me motiva de verdade.

criar minha arte, sejam figuras, palavras, pensamentos. a necessidade e desejo que eu tenho de extrair da mente tudo o que vejo, o mundo ao meu redor.

sou designer, serei escritor e com certeza, um eterno apaixonado.

sua, minha, nossa… vida.

às vezes, quando se é jovem, você acha que nada pode te machucar.
é como ser invencível. sua vida toda está a sua frente e você tem grandes planos.

grandes planos.

achar seu par perfeito. aquele que te completa.
mas conforme vai envelhecendo, percebe que nem sempre é tão fácil assim.

só no fim da vida percebe que os planos que fez são só planos. pois no final, quando olha para trás ao invés de para frente, que você quer acreditar que fez o máximo com o que a vida te deu.

quer acreditar que está deixando algo de bom para trás.
você quer que tudo tenha sido importante.

 

quantas pessoas especiais mudam?
quantas vidas estão vivendo estranhamente?
aonde estava você enquanto estávamos ficando doidões?

Champagne Supernova – Oasis

lista para o dia D

– duas canetas azuis;
– lápis 6B, 4B e 2B;
– lápis-de-cor;
– canetinhas tipo hidrocolor;
– estilete;
– borracha;
– tesoura;
– cola em bastão;
– ansiedade;
– meu futuro pelos próximos três anos sendo decidido num papel em branco, não tem preço.


autor

R. é audacioso, provocativo e comunicativo. ávido leitor, ele é freqüentador assíduo de livrarias e também um apaixonado pelo cenário underground e cultural de São Paulo. sua paixão por livros rivaliza-se apenas a sua pelas mulheres. leia mais sobre mim.

leitura atual

Discursos impios, de Marquês de Sade

Discursos ímpios, de Marquês de Sade

veja o que já li

histórico

extras


adicione rss - feed

selos


prêmio dardos