Arquivo para setembro \17\UTC 2008

tem certeza de que você não é gay mesmo?

tem certeza de que você não é gay mesmo?

tem certeza de que você não é gay mesmo?

são duas da manhã, duas pessoas se encontram conversando em um canto no jardim de inverno de uma bela e bem planejada casa em um dos bairros mais nobres da cidade.

– como se chama?
– me chamo R. e você?
– Ulisses, muito prazer.
– igualmente.

na sala de estar, improvisada como pista de dança, Duffy esbanja sua melancolia a uma platéia de intelectuais, alternativos, gays e drogados.

– o que você faz?
– sou designer e você?
– sou ator de teatro.
– legal, está com alguma peça em cartaz?
– não, mas recebi um texto para montar uma peça em novembro…

um novato e um completo desconhecido recebem o bilhete dourado para embarcar neste bizarro e louco mundo a apenas duas horas e meia.

– você é muito lindo sabia?
– obrigado.
– adoro seus olhos azuis, eles brilham na noite…
– obrigado.
– estou morrendo de vontade de te beijar…

(ele avança, viro o rosto e ele beija minha maça esquerda)

a noite é fria, mas não faltam bebidas de todos os tipos e gostos para aquecer e enlouquecer a multidão polvorosa. a dupla, como de costume, ataca apenas os whiskys de boa qualidade.

– me desculpe, mas eu gosto apenas de mulheres.
– é uma pena, na verdade, um desperdício.

(esboço um sorriso compreensivo)

– você me deixa maluco, tem certeza de que você não é gay mesmo?

(ele avança novamente, viro o rosto e recebo um beijo na outra maça)

– sim, tenho certeza.

(olho para meu amigo, ele compreende o sinal e interrompe nossa conversa)

– foi um prazer te conhecer.
– você pode me dar seu telefone?
– fique com meu cartão.

em quase todas os lugares em que vou alguém me pergunta se sou gay. acredito que seja uma pergunta comum, mas a partir do momento em que alguém te pergunta se você tem certeza de que não é gay mesmo, muda o cenário. é o tipo de pergunta, vou além, provocação que não tem volta. é sua confirmação, seu sim ou seu não definitivo.

sempre soube o que era, agora não restam dúvidas. sou hetero, sempre fui e sempre serei.

Mercy – Duffy

(continua…)

Anúncios

todo carnaval tem seu fim

pois é, e comigo não é diferente. terminaram as férias das minhas notas, do meu verdadeiro eu.

sei que não respondi meus e-mails como deveria, muito menos dei as caras no MSN, mas por favor relevem, este homem aqui passou por algumas turbulência das grandes, com direito a diversão no mictório a bordo.

acreditava piamente que o ano de 2007 havia sido meu ano de maior aprendizado e crescimento, e eu estava absolutamente certo! 2008 por sua vez, está marcado como o ano da desconstrução, do desaprendizado, da provação e provocações.

aprender é muito bom, mas desaprender é melhor ainda. tenho histórias muito boas para contar, não percam!

descobri que para cada ato nosso, existirá uma resposta ou cobrança no futuro.
descobri o significado desta música pra mim.

Bizarre Love Triangle – New Order


autor

R. é audacioso, provocativo e comunicativo. ávido leitor, ele é freqüentador assíduo de livrarias e também um apaixonado pelo cenário underground e cultural de São Paulo. sua paixão por livros rivaliza-se apenas a sua pelas mulheres. leia mais sobre mim.

leitura atual

Discursos impios, de Marquês de Sade

Discursos ímpios, de Marquês de Sade

veja o que já li

notas em destaque

histórico

extras


adicione rss - feed

selos


prêmio dardos